domingo, julho 12

Pêssego e Ameixa no forno com biscoito || Peach and Plum Cobbler with dumplings


Quem me conhece sabe o gosto que tenho pelas grandes cidades e sobretudo a minha paixão por Lisboa.
É lá que temos acesso a tudo o que precisamos (de bom e de menos bom!!). Mas como eu gosto de estar atenta somente às coisas boas que a vida me proporciona, é nas grandes cidades que facilmente vamos a um concerto ou teatro, é lá que me é possível participar num maior número de diferentes iniciativas sejam elas ligadas a desporto, cultura, moda ou gastronomia. Áreas que me fascinam e que me levam muitas vezes a deslocar-me até lá. Para participar num workshop, assistir a um showcooking, ver um espectáculo, ir a algum festival ou poder simplesmente aproveitar outro qualquer evento, ter a oportunidade de fazer coisas diferentes, que gosto, que me dão prazer e que me levam as conhecer novas realidades, outras novidades e diferentes pessoas. Nunca esquecendo das pessoas que me acompanham nestas aventuras e de quem gosto muito.



O mundo que acabo por descrever por vezes impede-me de constatar que viver na aldeia, ou na província como muitas vezes eu carinhosamente chamo, é viver rodeada de uma enorme qualidade de vida. O sossego, o ar puro, o silêncio e o contacto com a natureza rejuvenesce-nos e nos dá folgo para podermos enfrentar as etapas da vida com muito mais vigor e força.

Dou conta disso quando chego a casa dos  meus pais e vejo aquele enorme quintal cheio de vida. As curgetes que ontem estavam pequenas hoje já cresceram imenso (ideais para a minha sopa). Do outro lado do canteiro estão os pepinos, os pimentos e os tomates coloridos a chamarem por mim, para os trazer para as minhas saladas.
Ao lado um balde com feijão verde e outro com brócolos acabados de serem apanhados pela minha mãe para serem consumidos naquela semana.



Mas é quando chego do outro lado do quintal, onde o pomar e as árvores de fruto me sorriem. A cerejeira que em tempos esteve carregadinha de doces cerejas hoje olho-a com a esperança de que no próximo ano dê ainda mais fruta. 
Os alperces também já terminaram, apanhei no fim de semana passado os últimos.
Agora são as ameixoeiras e os pessegueiros que nos brindam com os seus frutos. Ameixas vermelhas de tamanho mais pequeno (ameixas de Sto António como a minha mãe lhes chama), outras maiores avermelhadas também e as de cor amarelas são as que agora posso saborear, ficando a aguardar pelas que mais gosto as Rainha Cláudia e os Abrunhos que tanto amo.
Quanto aos pêssegos são também diversas as qualidades que numa única árvore se pode colher. O meu pai, filho de agricultor e que desde miúdo conhece esta arte como ninguém, consegue numa única árvore enxertar diversas qualidades de fruto. Se é ciência não sei, mas que é conhecedor desta arte é com certeza. 
Olho em redor e me deslumbro com a cor, os cheiros e o sabor da fruta. Não há nada melhor que consumir a fruta directamente da árvore. produzida na nossa terra, por pessoas conhecedoras e sabedoras desta arte.



Assim, já com algumas ameixas e pêssegos na algibeira volto para casa, aguardando que as figueiras possam me dar doces e suculentos figos entretanto. Fruta que tanto amo. 

Melhor que comer fruta colhida por mim directamente das árvores com aromas e sabor únicos é poder preparar sobremesas ainda mais ricas, como é o caso desta que vos deixo hoje.
A inspiração veio deste livro da Joy Wilson do blogue Joy the Baker. Um livro simples, receitas sedutoras e de fácil preparação. A autora chamou a esta maravilha Peach Cobbler with orange and cinnamon dumplings, que se resume a pêssego no forno que é coberto com massa de biscoito com laranja e canela. Eu juntei aos pêssegos, ameixas do quintal lá de casa e ficou igualmente delicioso.
O doce da fruta conjugado na perfeição com o pedaço de bolo que fica com uma crosta estaladiça  e com sabor a canela levando-nos a repetir. Pode ser servido assim simplesmente ou ainda mais guloso quando acompanhado com uma bola de gelado (ou  duas ou três ....)



Peach and Plum Cobbler with dumplings *** Pêssego e Ameixa no forno com biscoito

Ingredientes:

4 Pêssegos grandes
10 Ameixas pequenas ou 6 grandes
1 Chávena de Açúcar
1/4 Chávena de farinha maisena
2 Colheres de chá de canela em pó
1 Colher de café de sementes de cardamomo
Sumo de 1 laranja grande
Raspa de 1/2 laranja




*Para biscoito:

1/4 de chávena de açúcar
2 Chávenas de farinha
1 Colher de chá de fermento em pó
1 Colher de café de sal
1/2 Chávena de manteiga (deve estar cortada em cubos e bem fria)
1 Ovo
1 Chávena de leite frio
1 Colher de chá de canela em pó




Preparação:

Comece por lavar as ameixas e retirar o caroço, cortando-as ao meio. Descasque os pêssegos e corte em pedaços não muito pequenos, retirando o caroço.
Numa taça junte a fruta, o açúcar, a canela, a farinha maisena, o cardamomo e o sumo e raspa da laranja. Misture delicadamente e reserve.

Prepare a massa do biscoito. Numa taça junte o açúcar com a farinha, o sal e o fermente. Misture bem. Acrescente a manteiga e com a ajuda dos dedos amasse bem até ficar um preparado granulado em que a manteiga já está quase desfeita. Acrescente a canela e reserve.
Noutra taça bata o ovo com o leite e acrescente ao preparado da farinha. Misture bem.

Num pirex de ir ao forno coloque o preparado da fruta e por cima com a ajuda de uma colher, disponha colheradas da massa do bolo. Misture 3 colheres de sopa de açúcar com 1 colher de café de canela em pó e polvilhe a massa de biscoito.

Leve a cozer em forno pré aquecido a 190ºC cerca de 35/40 minutos. Se Começar a ficar mais escuro o bolo coloque folha de alumínio por cima.

Retire e deixe arrefecer cerca de 10 minutos. Sirva ainda morno e caso pretenda pode servir com gelado.

Deliciem-se!!



7 comentários:

  1. Ana, há tantas vantagens em viver na província! essa abundância de frutas e legumes é, certamente, das maiores vantagens!
    Ficou lindo o teu cobbler e estou aqui vidrada com o sabor que deve ter, adoro os aromas de laranja e cardamomo!
    Beijo grande e uma semana maravilhosa!

    ResponderEliminar
  2. Eu adorava chegar a casa e ter essas maravilhas à minha espera mas, nós não podemos ter tudo, Eu entendo te muito bem.
    Adoro as fotos que me deixaram a babar e eu aceito, pelo menos, com duas bolas sff :D

    ResponderEliminar
  3. Que receita maravilhosa, fiquei encantada com sua descrição do quintal da tua mãe, deve ser bom demais ter essa oportunidade de colher produtos direto na fonte! Vou tentar reproduzir apesar de não encontrar esse frescor nas frutas.
    Bj

    ResponderEliminar
  4. Oh linda... sei tão bem do que falas. Também eu, neta de agricultor, encanto-me quando chego à quinta e olho as árvores carregadinhas. A minha vontade é pegar nelas e meter na minha sala, sei lá... mas não posso, e acabo por perceber que o sítio delas é lá, naquela terra vermelha, onde o meu avô, ou já depois a minha mãe, as plantaram.
    É no campo e não na cidade que vou querer viver um dia mais tarde... e perto do mar!
    Lindo e apetitoso o teu crumble. Espera um pouco, vou buscar o gelado do nosso amigo Célio, o marzagan da nossa Pipas e vou já para aí :-)
    Beijinhos muito gordos e saudades ;-)
    C

    ResponderEliminar
  5. Que receita maravilhosa! Maravilhosa é também a tua balança! Linda!

    ResponderEliminar
  6. Há imagens que nos deixam de olhos pregados e a salivar, e a do cobbler com os sucos da fruta a escorrer para fora é tão deliciosa :)
    Gostei muito de morar em Lisboa, e adoro sempre que lá vou. Tenho pena de aqui não ter acesso a tanta cultura e teatro, mesmo cinema mais alternativo e os concertos, mas não troco a terrinha (pelo menos a curto prazo) por uma grande cidade, é tão bom o sossego e ter o pedaço de terra, o mar tão perto.
    Agora vou servir-me do cobbler. Beijinho.

    ResponderEliminar